terça-feira, 21 de junho de 2011

A primeira vitória!

Tal como vos disse, o meu plano é arranjar muitos amigos internautas na região do Lago Niassa para termos notícias fresquinhas e algumas fotos dos tempos actuais para vermos como evoluiu aquela terra onde passamos alguns momentos marcantes da nossa vida. Os primeiros resultados já chegaram. Consegui dois contactos e do primeiro deles alguma fotografias já. Fotografias essas que têm menos de uma semana de vida.

 Aldeia do lado norte (ainda não sei o nome, mas espero descobri-lo em breve)

 Paróquia e Pároco de Metangula

Aldeamento Turístico na praia da Chuanga

O Padre Leonardo que aparece na foto em frente à sua paróquia é utilizador da internet e foi um dos contactos que consegui. Só espero que a ligação à rede funcione em condições que permitam a sua ligação comigo e que tenha tempo e paciência para me aturar. Se assim for, o futuro do «Farol de Metangula» está garantido.

5 comentários:

  1. Vamos lá pôr "os pontos nos ii's" sobre afinal o que era Metangula no tempo em que nós lá estivémos... Metangula era nos anos 60/70's, nem mais nem menos, que uma das maiores/melhores Instalações Navais de Moçambique, e se calhar até de todas as nossas Províncias Ultramarinas. Construir uma cidadezinha assim num lugar práticamente sem acessos FOI UMA OBRA TAL que é hoje o orgulho da Marinha Moçambicana... Podendo assim, afirmar hoje, que foi para mim (e creio que para todos) um privilégio têr tido a oportunidade de poder disfrutar deste Hotel de 5***** do Niassa... Senão vejamos: saíamos da caserna e tínhamos, à mão de semear, praias exóticas e calmas (sem tubarões/vendedores ambulantes). Tínhamos pessoal da Industria Hoteleira que nos tratavam como se fossêmos milionários, nomeadamente pessoal da Taifa, que sempre se esmeraram por nos encher a palamênta com comida melhor que em certos restaurantes. Isto sem esquecer "os famosos manaitos" que profissionalmente sempre nos traziam o camuflado engomado. Tínhamos também passeios guiados à Sanzala, onde "Batucada ao Vivo" e chance de engate acontecia quase todos os fins-de-semana, com uma possível estadia (mediante appointment) de 15/20 minutos "na Palhota da Miss Malawi". E depois a vida nocturna de Metangula naquela época, faria inveja à de Paris com O BAR DO NEVES aberto até que se terminasse "o pré em 2M/LAURENTINA" e terminando a soirée talvez com "um shopping spree" no VERRUGA CENTER que ficava no outro lado da estrada... E se por acaso acontecesse "alguma piela ocasional" lá tínhamos O SIPAIO que há tantas da manhã nos dízia BONS DIA com um sorriso amarelo... Tudo isto não passaria de um sonho, UM SONHO BOM não fosse a merda da FRELIMO que sempre nos lixou o juíso, para que até agora nada tenha feito por um MOÇAMBIQUE MELHOR!
    Valdemar Alves

    ResponderEliminar
  2. Há por lá algumas coisa novas
    Escondidas naquele cantinho
    Tão belas como pedras preciosas
    Viver lá como na água o peixinho.

    Esta do Valdemar Alves, gostei
    Se por acaso acontecesse alguma piela ocasional?
    Lá tínhamos o Sipaio que às tantas da manhã dizia os bons dia com um sorriso amarelo.
    Tens a certeza de que era amarelo?

    Um abraço
    Eduardo

    ResponderEliminar
  3. Nunca apareci no Bar do Neves só para beber uma bica e cada vez que saía de lá VIA TUDO AMARELO... Lembro-me de uma vez o ex: Sarg. FZ 47/65 fazer de ambulância e levar-me direitinho à Enfermaria (ainda hoje estou por saber se chegou a usar sirene)... Hihihihi!... POIS QUANDO ACORDEI ATÉ O ENFERMEIRO ME PARECEU AMARELO!
    Valdemar Alves

    ResponderEliminar
  4. em que ano é lá esteve, se calhar fui eu que o atendi,eu vendia por dia 500 laurentinas, e quando o Exército e a Marinha recebiam, eram 1500, laurentinas e 400 frangos fritos na frigideira com batata frita lembram-se maravilha que era esse comer,cheirava tão bem e sabia ainda melhor

    ResponderEliminar